Publicidade

Auto Union

fabrica_auto_unionA Auto Union nasceu da fusão de 4 empresas alemãs na década de 20. A crise econômica levou o governo a patrocinar a fusão da Audi-Werke AG, Zschopauer Motorenwerke JS Rassmussen AG, Horch e Wanderer-Werke AG que entre 1928 e 1932 formaram a Auto Union AG.  Cada empresa ficou responsável pela produção de um tipo de carro, usando seu próprio nome. A Audi, por exemplo, produzia carros de luxo.

Somente os carros de corrida levavam o nome da empresa Auto Union,  que passou a participar das competições em fins de 1932, numa iniciativa de um dos seus projetistas mais famosos, Ferdinand Porsche.

A entrada da Auto Union nas competições tinha razões econômicas ( projetar o nome da empresa no cenário mundial), e políticas ( dar prestígio ao nazismo que avançava na Alemanha naquela época).

A disputa comercial entre a Auto Union e a Daimler-Benz, que já preparava suas Mercedes para competições,  animou Porsche a conseguir recursos para financiar o projeto.  Foi quando o piloto alemão Hans von Stuck teve um encontro com Adolf Hitler, logo no início de sua trajetória como líder nazista alemão. Hitler, convencido de que a participação de carros alemães em corridas traria um importante retorno como propaganda do nazismo, liberou dinheiro suficiente para a construção de automóveis de competição. Este dinheiro foi repartido entre as duas principais empresas: Auto Union e Daimler- Benz .

fabrica_auto_union_01Os primeiros carros de corrida da Auto Union foram projetados com base na racionalidade e na economia. Foi o caso do modelo A,  com cilíndrios em monobloco, cabeçotes removíveis e único comando de válvulas na cabeça. Logo, porém,  o setor esportivo da Auto Union tornou-se uma empresa separada da fábrica principal. Isto, ao invés de simplificar a produção em série, aumentou os custos e os resultados obtidos pelas pesquisas iniciais de Ferdinand Porsche.

Willy Walb foi quem pilotou o primeiro protótipo de empresa. Mais tarde o piloto dirigiria a equipe junto com Porsche. Em janeiro de 1934 o carro da Auto Union atingiu a média de 200 km por hora chegando assim ao limite aceito por Porsche para aprovar o carro de corrida da empresa. Em março do mesmo ano, Hans von Stuck, com o mesmo carro bate o recorde da hora.

Em 1938 , quem assume a parte de pesquisa e desenvolvimento dos carros da Auto Union, no lugar de Porsche, é Robert Eberan von Eberhorst. Nas suas mãos, os Auto Union sofreram algumas modificações técnicas, como a colocação traseira do motor, que garantiram o sucesso alcançado pelos seus carros nas pistas.

A forte potência do motor tornava os carros da empresa difíceis de dirigir, apesar de alguns pilotos terem conquistado importantes vitórias.  Essa dificuldade provocou a morte de Bernd Rosemeyer, um  dos mais importante pilotos da história do automobilismo numa derrapagem. O acidente com o piloto alemão foi considerado uma prova das poucas condições de segurança do carro da Auto Union. Uma das razões colocadas para tal falta de segurança era justamente a colocação traseira do motor, mas hoje admite-se que o perigo maior estava nos pneus de grande diâmetro e ao desenho da suspensão.

Os tipos fundamentais da Auto Union foram os modelos A, B, e C com motor de 16 cilíndros e de cilindrada constante; o tipo D, contruído para a fórmula de 1938 , que limitava a 3 litros a cilíndrada e o tipo E,  para a fórmula de 1,5 litros. Depois da guerra o grupo Auto Union foi reconstruído em 1950, em Düsseldorf, mas foi absorvido pela Daimler- Benz, que passou depois para o controle da Volkswagen, em 1965.