Racing Point

Perfil

Nome oficial Racing Point F1 Team
Proprietários  Racing Point UK Limited e Racing Point Uk Holdings Limited
 Sede 5 St James Square, Silverstone – Londres
Fundação 28 de agosto de 2018
Chefe-de-equipe / CEO Otmar Szafnauer
Diretor Técnico Andrew Green
Diretor Esportivo Andy Stevenson
Diretor comercial Steve Curnow
Eng.-chefe de corrida Tom Mccullough

Desempenho

 

2019 
Piloto Sergio Perez – 11
Lance Stroll – 18
Carro RP 19
Motor Mercedes M10 EQ
Corridas 1
Pontos 4
Posição
2018 
Estreia 26 de agosto de 2018- GP da Bélgica
Participação 9 corridas
Pontos 52
Posição 7º lugar

A Racing Point Force India F1 Team é uma equipe da Fórmula 1com sede em Silverstone, na Inglaterra, que compete com licença britânica. A equipe foi formada em agosto de 2018, quando um consórcio liderado pelo investidor canadense Lawrence Stroll, comprou os ativos da equipe Force India.

A Force India sofreu uma grave crise financeira no decorrer da temporada de 2018, e acumulou dívidas com credores e fornecedores, e foi colocada em administração judicial em julho de 2018. O administrador designado pela Justiça, a FRP Advisory, colocou a empresa à venda e, no dia 7 de agosto, foi anunciado que havia aceitado a oferta de um consórcio, denominado Racing Point UK Ltd, liderado por Lawrence Stroll, pai do piloto Lance Stroll.

O consórcio não comprou a equipe completa, mas apenas seus ativos de corrida e operações, através da empresa Racing Point, e a equipe teve que entrar no Campeonato Mundial de Fórmula 1 como uma nova entidade jurídica, com um novo nome. Entretanto, foi obrigada a manter o nome “Force India”, em nome da qual seu chassi havia sido homologado, pois, conforme os regulamentos da FIA, o nome da equipe deve incluir nome do fabricante do chassi. Assim, o nome da equipe antecessora foi adicionado ao da empresa que adquiriu seus ativos, dando origem à Racing Point Force India F1 Team.

A FIA excluiu a antiga Force India do campeonato “devido a sua incapacidade de completar a temporada”, e a nova equipe teve que começar do zero e não recebeu nenhum ponto conquistado pela outra no Campeonato de Construtores. Os pilotos Sergio Perez e Esteban Ocon , porém, mantiveram seus pontos no Campeonato de Pilotos. Posteriormente todas as equipes concordaram em permitir que a Racing Point Force India retivesse o prêmio em dinheiro acumulado pela equipe original.

A Racing Point UK Limited nomeou o então diretor de operações da equipe antecessora, Otmar Szafnauer, como chefe de equipe. O vice-chefe de equipe da antiga Force India Robert Fernley deixou seu cargo, mas o restante do corpo de gerenciamento sênior permaneceu inalterado.

A Racing Point Force India usa o chassi  VJM11 e os motores Mercedes, como a antecessora. Para 2019, a equipe manteve Sergio Perez, mas trocou Esteban Ocon pelo filho de Lawrence Stroll, Lance Stroll.

Um consórcio sinistro

A história do consórcio que adquiriu a Force India é meio complicada. Começa que não se trata de uma empresa, mas duas: Racing Point UK Limited e Racing Point UK Holdings Limited. E que não seria um consórcio, mas empresas de fachada adquirida pelo bilionário canadense Lawrence Stroll. Essa versão parece ter fundamento, pois dos quatro diretores originais são dois permanecem nas empresas: o próprio Stroll e “Silas’ Kei Fong Chou, empresário de Hong Kong com interesses em marcas de moda. Eric Michael Tinholt den Best e Edward Porter, ambos nomeados para o conselho em 2 de agosto, já haviam se demitido uma semana depois.

Chou e Stroll são parceiros de negócios há anos, A dupla investiu na Tommy Hilfiger nos anos 90 e depois continuou sua parceria no século 21 com um investimento na Asprey & Garrard.

Segundo Kate Walker, do site crash.net, a participação de Stroll pode ser facilmente explicada por um pai vivendo corridas através de seu filho; um homem de meios, dedicado a dar a seu filho tudo o que seu coração poderia desejar, incluindo uma equipe de F1. A participação de Chou, um especialista em negócios internacionais e na arte de ganhar dinheiro. diz Kate, é mais difícil de explicar.

.O certificado de incorporação da Racing Point UK Holdings, tem apenas uma pessoa com controle significativo (ou alguém com 75% ou mais das ações), com apenas uma ação emitida em favor de Omar Ariss, diretor da Mônaco Sports and Managemen. uma empresa de consultoria de gestão para clientes de alta renda e suas famílias. Oferece solução para gestão das finanças, contas, fluxo de caixa, empresa de secretariado, aquisições, residência expatriado, fundos offshore, planejamento fiscal, ativos compras, seguro, de patrocínio, gestão da propriedade, fundações filantrópicas, transferência de riqueza e outros serviços.

Quando a Force India anunciou a venda à Racing Point, mencionou Chou e a Mônaco Sports e Gestão, mas não se refere a Ariss e seu controle significativo. Segundo Kate Walter, o número de financiadores envolvidos nesse consórcio é sinistro.