Publicidade

Jaguar

Desempenho

Estréia:12 de março de 2000

GPs:  67

Vitórias:  0

Poles:  0

Pódios:  2

Pontos:  39

Abandonos : 61

História

Ao surgir, em 2000, a Jaguar Racing prometia ser uma das grandes sensações da temporada. A equipe contratou o vice-campeão de 1999, o irlandês Eddie Irvine e  o inglês Johnny Herbert e aproveitou toda a estrutura da Stewart. Não tinha mais Jackie Stewart, mas o filho dele,  Paul Stewart,  era diretor da nova equipe. Com um forte apoio da Ford e um orçamento invejável de cerca de 100 milhões de dólares, a escuderia ameaçava brigar com as favoritas McLaren e Ferrari.

Nas pistas, porém, a profecia não se cumpriu. Com um motor pouco competitivo e sem uma boa administração, de nada valeram os esforços de Irvine  e Herbert. Ao final do campeonato, a Jaguar ocupava um sofrível antepenúltimo lugar entre as equipes, com apenas quatro pontos, de Irvine, três conquistados em Mônaco e 1 na Malásia.

Em 2001, Herbert foi substituído pelo brasileiro Luciano Burti. Apenas quatros GPs depois do início da temporada, porém, o brasileiro foi também trocado por Pedro de la Rosa, que era piloto de testes da equipe. Mais uma vez, o R3 frustrou as esperanças da equipe que, no final do campeonato, completou apenas 9 pontos e ficou no oitavo lugar. A má performance provocou novas e profundas mudanças, a principal delas a substituição de  Bobby Rahal, o chefe da equipe, por Niki Lauda.

Os problemas continuaram em 2002. Um pódio, pelo terceiro lugar de Irvine em Monza, foi o melhor resultado da equipe, que somou de novo oito pontos e terminou o campeonato em sétimo lugar. O fracasso provocou novas e grandes mudanças, com a  saída de Irvine  e de la Rosa e do chefe da equipe, Niki Lauda. Mark Webber  e Antonio Pizzonia, os pilotos, e Malcolm Oastler, novo engenheiro-chefe assumiram a difícil missão de salvar a Jaguar.

Mas a missão era demais para os três. O piloto brasileiro, que era apontado como um dos possíveis astros da nova geração da F1, decepcionou. Em 11 corridas, deixou de completar 5 e, no meio da temporada, foi dispensado pela equipe. O seu substituto, Justin Wilson, transferido da Minardi, também só terminou duas de seis corridas, mas fez um ponto, pelo 8º lugar, na GP dos Estados Unidos. Webber foi um pouco melhor e pontuou seis vezes, com três sextos e três sétimos lugares. Com isso, a Jaguar somou  18 pontos e ficou em 7º lugar entre os construtores no campeonato de 2003.

Em 2004, a Jaguar voltou a ficar sétimo lugar, com apenas 10 pontos (a campeã,  Ferrari, fez 262), com 7 pontos de Mark Webber e 3 de Christian Klein. Em setembro desse ano, a Ford anunciou a  desativação da escuderia.