Bélgica 2018

Data – 26 de agosto  de 2018

Circuito – Spa-Francorchamps

Pista – 7.004 metros

Voltas – 44 – 308,052 km

Pole –  Lewis Hamilton – Mercedes – 1m58s179

Vencedor –  Sebastian Vettel – Ferrari

Tempo –  1h23m34s476

Volta mais rápida – Valtteri Bottas – Mercedes – 32 – 1m46s286  (recorde)

Líder – Sebastian Vettel (1-44)  

Qualificação

Em pista seca, a Ferrari dominou todos os treinos livres, mas, com chuva, em pista ainda molhada, Lewis Hamilton se impôs na Q3 da qualificação e conquistou a pole position para o GP da Bélgica 2018, no circuito de Francorchamps. Com o tempo de 1m58s179, o piloto inglês da Mercedes ficou 0s627 à frente de Sebastian Vettel, da Ferrari. A surpresa da sessão de qualificação coube è equipe da Force India, que colocou sem dois pilotos na terceira fila do grid. Esteban Ocon foi o 3º e Sergio Perez, o 4º.  Romain Grosjean largou da 5ª posição, à frente da Ferrari de Kimi Raikkonen, que não participou do fim da sessão, por problemas no carro. A chuva chegou no início do Q3 e forçou os pilotos a voltarem aos boxes, para trocar os pneus por compostos intermediários. Depois de todos saírem dos boxes com pneus para o seco, foram forçados a voltar para trocar pelos compostos intermediários.

Q1 – A classificação começou sob a ameaça de chuva, que não s concretizou e a maioria dos pilotos, ao deixar os boxes, apostou nos pneus supermacios Apenas a dupla da Ferrari e Lewis Hamilton foram para a pista com o composto macio. Com 1m42s585, Kimi Raikkonen foi o mais veloz da primeira parte do treino. Bottas, que iria largar do fim do grid, punido pela troca de componentes do motor além do limite estabelecido, foi para a pista apenas para “cumprir tabela”. Mesmo assim, ficou com o segundo melhor tempo da sessão, a 0s220 do líder Kimi, e à frente de Hamilton, o terceiro, por 0s392. Foram eliminados: Carlos Sainz, Fernando Alonso, Sergey Sirotkin, Lance Stroll e Stoffel Vandoorne.

Q2 – Ainda sob um céu carregado e ameaça de uma chuva que não veio a Q2 começou com sol em alguns pontos da pista. Raikkonen, logo no início, fez 1m41s627, recorde da pista. Logo, porém, foi a vez de Vettel estabelecer novo recorde, com 1m41s501, para garantir o primeiro lugar nessa fase. O único incidente foi causado por Brendon Hartley, que rodou na “La Source”, o grampo na curva 1, causando bandeira amarela no primeiro setor. Contudo, o piloto retornou para os boxes sem danos no carro. Vettel, Raikkonen, Hamilton, Bottas e Verstappen marcaram os cinco melhores tempos da Q2. Pérez, Grosjean, Ricciardo, Ocon e Magnussen completaram a lista de classificados para a última parte do treino classificatório. Não passaram à Q3 Pierre Gasly, Brendon Hartley, Claude Leclerc, Marcus Ericsson e Nico Hulkenberg. .

Q3 – Apesar da chuva iniciada na Q2, todos os pilotos optaram por deixar os boxes com pneus de pista seca para a disputa da pole. Logo, porém, a água começou a cair mais forte e a primeira vítima foi Valtteri Bottas, que perdeu o controle do carro e rodou, saindo da pista. Após o incidente, os pilotos retornaram aos boxes para colocar pneus intermediários e, sob chuva, os pilotos tiveram trabalho para manter o controle do carro e não sair da pista e os tempos subiram bastante. No final, com a chuva mais fraca e o traçado secando, os tempos começaram a baixar. Vettel anotou 2m01s188 e a assumiu pole provisória, porém. Mas Lewis Hamilton cravou 1m58s179 conquistou a sua 78ª pole position da carreira.

 Grid

 

1 Lewis Hamilton

Mercedes

1m58s179

2 Sebastian Vettel

Ferrari

1m58s905

3 Esteban Ocon

Force India

2m01s851

4 Sergio Perez

Force India

2m01s894

5 Romain Grosjean

Haas

2m02s122

6 Kimi Raikkonen

Ferrari

2m02s671

7 Max Verstappen

Red Bull

2m02s769

8 Daniel Ricciardo

Red Bull

2m02s939

9 Kevin Magnussen

Haas

2m04s933

10 Pierre Gasly

Toro Rosso

1m43s844

11 Brendon Hartley

Toro Rosso

1m44s865

12 Charles Leclerc

Sauber

1m44s062

13 Marcus Ericsson

Sauber

1m44s301

14 Fernando Alonso

McLaren

1m44s917

15 Sergey Sirotkin

Williams

1m44s998

16 Lance Stroll

Williams

1m45s134

17 Valtteri Bottas

Mercedes

sem tempo

18  Nico Hulkenberg

Renault

sem tempo

19 Carlos Sainz Jr

Renault

1m44s489

20 Stoffel Vandoorne

McLaren

1m45s307

Valtteri Botas, Nico Hulkenberg, Carlos Sainz Jr e Stoffel Vandoorne perderam 30 posições por excederem a cota de unidade de potência

Corrida

 Sebastian Vettel, da Ferrari, superou o pole position Lewis Hamilton na largada e venceu o Grande Prêmio da Bélgica 2018, no circuito de Spa Francorchamps, dia 26 de agosto, no reinício da temporada, depois do período de férias da Fórmula 1. O piloto alemão completou os 7.004 metros do percurso em 1h23m34s476, com 11s061 de vantagem sobre o rival. Com a vitória, Vettel diminuiu de 24 para 17 pontos a vantagem de Hamilton na classificação do campeonato (231 a 214). Max Verstappen, da Red Bull, foi o 3º colocado, conseguindo o seu primeiro pódio desde a vitória na Áustria.

Um momento de tensão marcou o início da 13ª etapa da temporada da Fórmula 1. Na largada. Nico Hülkenberg, não conseguiu fazer a freada para contornar a primeira curva, a La Source, e acertou a traseira da McLaren de Fernando Alonso. O carro do espanhol decolou sobre a Sauber de Leclerc, que foi protegido pelo Halo. Ainda no início, Kimi Räikkönen teve um pneu furado, enquanto Daniel Ricciardo teve a asa traseira danificada. Valtteri Bottas danificou a asa dianteira após acertar a traseira da Williams de Lance Stroll. Hamilton manteve a liderança nos primeiros metros, mas não resistiu ao ritmo de Vettel e perdeu a posição no fim da reta Kemmel. Esteban Ocon também tentou passar Lewis, mas o tetracampeão fechou a porta e o francês foi ultrapassado por Sergio Pérez. No fim do pelotão, Valtteri Bottas acertou a traseira da Williams de Lance Stroll. Daniel Ricciardo e Kimi Räikkönen também se envolveram em contato, após o piloto da Red Bull acertar a traseira do finlandês, que teve o pneu traseiro direito furado e danos na asa. O safety car foi acionado e voltou aos boxes na quinta volta.

Hamilton encostou muito em Vettel na Bus Stop e teve de travar a roda dianteira direita. O alemão determinou o ritmo e abriu vantagem na relargada, com as Force India de Pérez e Ocon vindo em terceiro e quarto, respectivamente, e Verstappen fechando a lista dos cinco primeiros. Na 7ª volta, a torcida holandesa vibrou com a ultrapassagem de Verstappen sobre Ocon, na entrada da Les Combes. E Bottas, em manobra sensacional, por fora, mergulhou na Eau Rouge, e ganhou no braço a posição de Brendon Hartley, subindo para 13º. Räikkönen, por sua vez, continuava com problemas, parando nos boxes para fazer um ajuste na asa traseira e na 8ª volta, era o 4º, além dos três envolvidos no acidente da largada, a abandonar a prova. Com ritmo muito melhor em relação à Force India, Verstappen aproveitou a potência na reta Kemmel e passou Pérez para tomar o terceiro lugar. Com Ricciardo e Bottas ainda longe das primeiras colocações, o pódio parecia já estar definido em Spa. Hamilton não mostrava, na primeira parte da corrida, ter condições de brigar com Vettel pela vitória. A prova era até monótona e só Bottas, com um equipamento muito melhor que a maioria do grid, provocava alguma movimentação, subindo para 8º, depois de passar Marcus Ericsson e Pierre Gasly. Na volta 22, Hamilton foi o primeiro dos líderes a fazer a troca de pneus, mudando dos supermacios para os macios. Vettel foi chamado pela Ferrari em seguida e os dois primeiros teriam metade da corrida para acelerar com os compostos amarelos.

Hamilton acelerou forte logo após o pit stop e voltou mais próximo a Vettel, depois de ter feito a ultrapassagem sobre Verstappen, que ainda não tinha parado. Porém, poucas voltas depois, Vettel já retomava a vantagem de 3s3 sobre Hamilton antes do pit stop e tinha a vitória praticamente encaminhada. Na volta 32, Bottas fazia mais uma ultrapassagem e conquistava a quinta posição, após superar Ocon. O quarto lugar era questão de tempo e foi conquistado na volta 41. A essa altura, o resultado final ficou praticamente definido, restando apenas as voltas finais para que a Ferrari confirmasse a vitória de Vettel.

Resultados

Pos. Piloto Equipe Tempo
Sebastian Vettel Ferrari 1h23m34s476
Lewis Hamilton Mercedes  a 11s061
Max Verstappen Red Bull 31s372
Valtteri Bottas Mercedes 1m08s605
Sergio Perez Force India 1m11s023
Esteban Ocon Force India 1m19s520
Romain Grosjean Haas 1m25s953
Kevin Magnussen Haas 1m27s639
Pierre Gasly Toro Rosso 1m45s892
10º Marcus Ericsson Sauber 1 volta
11º Carlos Sainz Jr. Renault 1 volta
12º Sergey Sirotkin Williams 1 volta
13º Lance Stroll Williams 1 volta
14º Brendon Hartley Toro Rosso 1 volta
15º Stoffel Vandoorne McLaren 1 volta
Não completaram
Daniel Ricciardo Red Bull 28-colisão
Kimi Raikkonen Ferrari 8-colisão
Charles Leclerc Sauber 0-colisão
Fernando Alonso McLaren 0-colisão
Nico Hulkenberg Renault 0-colisão

Valtteri Bottas perdeu 5 segundos no tempo, por causar colisão com Seregy Sirotkin

CLASSIFICAÇÃO

Pilotos

Posição Piloto Pontos
Lewis Hamilton 231
Sebastian Vettel 214
Kimi Raikkonen 146
Valtteri Bottas 144
Max Verstappen 120
Daniel Ricciardo 118
Nico Hulkenberg 52
Kevin Magnussen 49
Fernando Alonso 44
10º Sergio Perez 40
11º Esteban Ocon 37
12º Carlos Sainz Jr 30
13º Pierre Gasly 28
14º Romain Grosjean 27
15º Carlos Leclerc 13
16º Stoffel Vandoorne 8
17º Marcus Ericsson 6
18º Lance Stroll 4
19º Brendon Hartley 2
20º Sergey Sirotkin 0

Equipes

Posição Equipe Pontos
Mercedes 375
Ferrari 360
Red Bull 238
Renault 82
Haas 76
McLaren 52
Toro Rosso 30
Sauber 19
Force India 18
10º Williams 4

A nova Force India

Com autorização da FIA, depois de entrar em falência e ser adquirida por um grupo liderado por Laurence Stroll, pai do piloto Lance Stroll, a Force India participou do GP da Bélgica sob o nome de Racing Point Force India, em vez de Sahara Force India. Mas apesar de participar de todo o restante do campeonato, a equipe perdeu todos os pontos obtidos sob o nome anterior. Como um time não pode mudar de nome oficialmente durante a temporada, a única solução para garantir que Sergio Perez e Esteban Ocon corressem na Bélgica foi uma nova inscrição.

O grupo de Stroll só adquiriu os ativos do time, como carros e outros bens, mas a antiga empresa, a Force India Limited, permaneceu detentora da inscrição na F1. Assim, para os novos donos colocarem os carros na pista, seria necessária uma nova inscrição na categoria, como uma equipe nova. Pelo regulamento, uma equipe só pode mudar oficialmente de nome sem perder seus pontos no Mundial de Construtores e premiação se todas as demais escuderias aprovarem. Como a Williams, McLaren e Renault não aceitaram, criou-se o impasse, resolvido com o novo nome da equipe. Ma, mesmo autorização para inscrever o time com a nova nomenclatura, a Racing Point Force India não receberá a premiação pelo que vinha sendo conquistada por Perez e Ocon, na pista, pois a antiga inscrição foi anulada com efeito imediato, Nas 12 primeiras etapas do ano, os dois marcaram 59 pontos, deixando o time na sexta posição entre dez escuderias.