1974

Emerson, campeão

Em 1974, Emerson Fittipaldi conquistou o bicampeonato mundial e a McLaren-Ford  seu primeiro Campeonato Mundial de Marcas. O campeonato foi caracterizado pelas numerosas mudanças nas equipes.

Regazzoni voltou à Ferrari; Niki Lauda foi da BRM também para a Ferrari. Pace abandonou a Surtees e ingressou na Brabham; Ickx se transferiu para a Lotus e Emerson Fittipaldi foi para a McLaren.

As 15 pricipais equipes participantes do campeonato foram a JPS Lotus, Elf Tyrrel, Marlboro Texaco, McLaren, Yardley McLaren, Brabham, Brabham Hexagon, March, Hesketh (March), Ferrari, BRM Motul, UOP Shadow, Surtees, Iso Marlboro, Embassy Lola. Concorreram também Parnelli, Trojan,Penske,Token,Ensign, Arnon, Maki e Lyncar.

O regulamento restringiu as asas traseiras e a embreagem automática, acionada por dois pedais, da Lotus não apresentou os resultados esperados. A temporada foi intensamente disputada nos seus quinze GPs, com três vitórias de Emerson Fittipaldi, Ronnie Peterson e Carlos Reutemann; duas vitórias de Niki Lauda e Jody Scheckter; e uma vitória de Clay Regazzoni e Denis “Denny” Hulme. Na primeira prova, na Argentina, Carlos Reutemann esteve perto de conquistar sua primeira vitória em seu próprio país. Porém, ficou sem gasollina na última volta e nem sequer marcou ponto na prova.

Emerson Fittipaldi

Emerson Fittipaldi

O vencedor foi Denis “Denny” Hulme, à frente das Ferrari de Lauda e Regazzoni, que se recuperou de uma colisão na primeira volta e acabou em terceiro. No GP do Brasil, Emerson Fittipaldi ganhou pela segunda vez em Interlagos, numa prova encerrada oito voltas antes da distância regulamentar, por causa de um forte temporal. Carlos Reutemann obteve, afinal, sua primeira vitória na Fórmula 1, no GP da Africa do Sul, o mesmo acontecendo com Niki Lauda, vencedor do GP da Espanha.

O início do campeonato foi marcado pela intensa disputa entre Emerson Fittipaldi e Clay Regazzoni. No GP da Bélgica, Regazzoni teve uma boa ocasião para se firmar na liderança, mas acabou sendo ultrapassado por Emerson, que assumiu o primeiro lugar na classificação geral. O brasileiro manteve a posição nos três GPs seguintes, mas no GP da França, Lauda conquistou a liderança e os três (Emerson, Regazzoni e Lauda) passaram a se revezar na primeira colocação. Emerson e Regazzoni chegaram à ultima prova, nos Estados Unidos, empatados com 55 pontos, mas o italiano quebrou três motores nos treinos, ficou em má posição na largada e terminou em 11º lugar. Diante disso, o 4º lugar foi suficiente para Emerson Fittipaldi obter o seu segundo título mundial. Um segundo lugar no GP dos Estados Unidos; um 4º no GP do Brasil e um 5º no GP da Itália valeram a José Carlos Pace, correndo pela Brabham, 12 pontos e a 12º colocação na classificação geral do campeonato.

1974 – Campeonato Mundial de Construtores

Pos.

Equipes

Pts.

McLaren

73

Ferrari

65

Tyrrell

52

Lotus

42

Brabham

35

Hesketh

15

BRM

10

Shadow

09

March

06

10º

Iso Malboro

04

11º

Surtees

03

12º

Lola

01

   1974– Classificação – Pilotos

Pos. Piloto Páis Equipe Pts

Emerson Fittipaldi Brasil McLaren 55

Clay Regazzoni Suiça Ferrari 52

Jody Scheckter Áfricado Sul Tyrrel 45

Niki Lauda Austria Ferrari 38

 5º

Ronnie Peterson Suécia Lotus 35

Carlos Reutemann Argentina Brabham 32

Denis Hulme Nova Zelandia McLaren 20

James Hunt Inglaterra Hesketh 15

Patrick Depailler França Tyrrell 14

10º

Jacky Ickx Bélgica Lotus 12
Mike Hailwood Inglaterra McLaren 12

12º

José Carlos Pace Brasil Brabham 11

13º

Jean Pierre Beltoise França BRM 10

14º

Jean Pierre Jarier França Shadow 06
John Watson Inglaterra Brabham 06
  16º Hans Joachim Stuck Alemanha March 05
 17º Arturo Merzário Itália Iso Marlboro 04
 18º Graham Hill Inglaterra Lola 01
Tom Price Inglaterra Shadow 01
Vittório Branbilla Itália March 01

Concorreram 62 pilotos.

1974  –  Grandes Prêmios

 
Dia GP Circuito Voltas Vencedor Equipe Tempo
13/01 Argentina B. Aires 53 –316,304 km Denis Hulme McLaren 1h41m02s01
27/01 Brasil Interlagos 32 – 254,720 km E. Fittipaldi McLaren 1h24m37a06
30/03 A. do Sul Kyalami 78 – 320, 112 km C. Reutemann Brabham 1h42m40s96
28/04 Espanha Jarama 84 – 285,936  km Niki Lauda Ferrari 2h00m29s56
12/05 Bélgica Nevilles 85 – 316,540  km E. Fittipaldi McLaren 1h44m20s57
26/05 Monaco Monte Carlo 78 – 255,684  km R. Peterson Lotus 1h58m03s7
09/06 Suécia Anderstorp 80 – 321.440 km J. Scheckter Tyrrell 1h58m31s391
23/06 Holanda Zandvoort 75 – 316,950  km Niki Lauda Ferrari 1h43m00s35
07/07 França Dijon-Prenois 80-  263,120 km R. Peterson Lotus 1h21m5502
20/07 Inglaterra Brandss-Hatch 78 – 319,500  km J. Scheckter Tyrrell 1h43m02s2
04/08 Alemanha Nurburgring 14–  319,690  km C. Regazzoni Ferrari 1h41m35s
18/08 Austria Osterreichring 54 – 319,194 km C. Reutemann Brabham 1h28m44s72
08/09 Italia Monza 52 – 300,560  km R. Peterson Lotus 1h22m56s6
22/09 Canada Mosport 80 – 316,480  km E. Fittipaldi McLaren 1h40m26s136
06/10 EUA WatkinsGlen 59 – 320,547 km C. Reutemann Brabham 1h40m21s439

No dia 3 de fevereiro houve uma corrida extraoficial em Brasília (sem contar pontos para o campeonato), vencida por Emerson Fittipaldi. Mais duas mortes abalaram a Fórmula 1: Peter Revson morreu num treino do GP da África do Sul, e e o austríaco Helmut Koinigg na última prova da temporada, nos Estados Unidos, a sua segunda participação na categoria.