1958

1958Pilotando uma Ferrari, o inglês Mike Hawthorn foi o campeão do Campeonato da Fórmula 1 de 1958, roubando uma vitória que todos davam como certa para o seu compatriota Stirling Moss.

O primeiro Mundial de Marcas ficou com a Vanwall, com três vitórias do piloto Tonny Brooks e duas do inglês Stirlng Moss. Entrou em vigor um novo regulamento que impunha uso do álcool como combustível e reduzia a distância dos grandes prêmios: duas horas de duração ou 300 quilômetros, em vez dos 500 quilômetros. Deixou de existir a divisão de pontos entre os pilotos que se revesavam num mesmo carro.

O número de grandes prêmios aumentou para dez provas, entre eles o primeiro de Portugal e o primeiro fora da Europa, em Marrocos, na África. No final da temporada, Stirling Moss e Jean Trintignant passaram a correr com o novo carro Cooper Climax, da Cooper, que revolucionou a categoria ao adotar o motor traseiro.

A morte de Luigi Musso, Peter Collins e Stuart Lewis-Evans fazem de 1958  um dos anos mais negros do automobilismo. Musso morreu no GP da França, o mesmo da despedida de Fangio, no dia 6 de julho. Collins morreu no Grande Prêmio da Alemanha, no dia 3 de agosto, e Lewis-Evans foi vítima de acidente no GP de Marrocos, no dia 19 de outubro.

Com apenas uma vitória, contra quatro de Stirling Moss e três de Tonny Brooks, Mike Hawthorn, com Ferrari, graças a cinco segundos lugares, tornou-se o primeiro inglês a conquistar o título mundial e no final da temporada decidiu abandonar as corridas. Wolfgang von Trips e Phil Hill, novas aquisições da Ferrari, começaram a ser assunto da Fórmula 1. Na primeira prova, na Argentina, 10 carros se alinharam para a largada e apenas um não conseguiu completá-la, a Ferrari de Peters Collins, por causa da transmissão.

Campeão de 1958, Mike Hawthorn

Mike Hawthorn

Pela segunda vez, Fangio foi derrotado diante do seu público: Stirling Moss fez uma corrida sensacional e ganhou com apenas 2”7 à frente de Luigi Musso.

Fangio teve de contentar-se com o quarto lugar e a volta mais rápida. Com a retirada de Fangio, que só voltou ao GP da França, a quarta prova da temporada, para se despedir, o campeonato ficou mais equilibrado. Moss ganhou mais três GPs (Holanda, Portugal e Marrocos), mas outros pilotos apareceram no topo da classificação nas demais provas: Maurice Trintgnant foi o primeiro em Mônaco; Peters Collins ganhou na Inglaterra; Tony Brooks, na Bélgica, Alemanha e Itália. Mas o campeão, com 30 pontos, contra 24 de Moss, foi o inglês Michael Hawthorn, que venceu apenas o GP da França.

   1958 – Classificação – Pilotos

Pos. Piloto Páis Equipe PTs

Mike Hawthorn Inglaterra Vanwall 42

Stilring Moss Inglaterra Vanwall 41

Tony Brooks Inglaterra Vanwall 24

Roy Salvatori Inglaterra Cooper 15

Peter Collins Inglaterra Ferrari 14
Henry Schell EUA BRM 14

Maurice Trintignant França Cooper 12
Luigi Musso Italia Ferrari 12

Stuart-Lewis-Evans Inglaterra Vanwall 11

10º

Phil Hill EUA Ferrari 09
Wolfgang von Trips Alemanha Ferrari 09
Jean Behra França BRM 09

13º

 Jimmy Brian EUA Epperly 08

14º

Juan Manuel Fangio Argentina Maserati 07

15º

George Amik EUA Epperly 06

16º

Johnny Boyd EUA Kurtis Kraft 04

17º

Jack Brabham Austrália Cooper 03
Cliff Allison Inglaterra Lotus 03
Jo Bonnier Suécia BRM O3
Tony Bettenhausen EUA Epperly 03

21º

Jim Rathmann EUA Epperly 01

No Campeonato de Marcas foram computados os seis melhores resultados.

1958 –  Campeonato Mundial de Construtores

Pos.

Equipes

Pts.

Vanwall

48

Ferrari

40

Cooper

31

BRM

18

Maserari

10

Lotus

03

Participaram também do campeonato Watson, Phillips, Kurtis Kraft, Porsche, Kuzma, Connaught, Lesovsky, Osca e Dunn.

A italiana Maria Teresa de Fillpis tornou-se a primeira mulher a participar de uma corrida da Fórmual 1.